Compaixão
A obra de Toni Morrison é toda debruçada sobre a condição do negro nos Estados Unidos e, sobretudo, da mulher negra americana. Em Amada, ela visitou o terror permanente da vida na escravatura. Agora, em Compaixão, recua mais na história e vai à origem, a 1690, quando a própria nação norte-americana estava nascendo, cem anos antes da Declaração de Independência. Morrison nos faz lembrar que o começo do regime escravagista se confunde com esse início da nação, os dois cresceram juntos. A autora vê, nesse alvorecer do país, a possibilidade de uma escravatura sem racismo, que junta brancos, negros e indígenas numa mesma árdua luta pela sobrevivência na natureza inóspita do nordeste americano. Compaixão é a história de Florens, que a própria mãe entrega como pagamento da dívida de seu senhor, na esperança de que possa ter uma vida melhor numa fazenda remota, ao lado de três outras mulheres - Rebekka, a senhora branca; Lina, uma escrava indígena; e Sorrow, outra escrava negra - e do tolerante senhor anglo-holandês Jacob Vaark. Em meio às asperezas da vida rural desse período, ameaçada pela varíola, numa terra sem lei, dividida entre o puritanismo religioso das seitas protestantes dos brancos e a tolerância e liberdade do indígena e do negro, Florens descobre o amor e o sexo. Luta com a natureza do nordeste da América do Norte e com sua própria natureza, ambas bravias, uma fria, a outra ardente. Sempre em busca de um amor perdido: o de sua mãe e o de sua pátria.

Compaixão

R$44,90Preço
  • Autor(a)

    Toni Morrison
  • Editora

    COMPANHIA DAS LETRAS
  • Palavras-chave

    reconhecimento, Minas Gerais, melancolia, mulheres, autoras mulheres, amadurecimento, LGBT, abandono, exílio, adoção, autoras brasileiras, fama, romance de formação, voltar pra casa, literatura brasileira contemporânea, relações familiares, inconsciente, Brasil, identidade, escritoras brasileiras, exploração, língua materna, Rio de Janeiro, mãe e filha, lésbicas, romance entre mulheres, crise familiar, Alemanha, atriz